Como ser independente na era da Internet?

Esse texto é inspirado na Blogagem Coletiva do Rotaroots.

O que é o Rotaroots: O grupo tem o objetivo de resgatar a época de ouro dos blogs pessoais, incentivando a produção de conteúdo criativo e autoral, sem ser clichê e principalmente, sem regras, blogando pela diversão e pelo amor.

Quando vi esse tema lá no Rotaroots, confesso que fiquei confusa. Passei um bom tempo pensando no que seria o cenário ideal de independência: morar sozinha, ganhar bem, não precisar dar satisfação pra ninguém? Pra muita gente esse seria os pilares da independência.

Mas pensando bem, cheguei a conclusão de que ser independente pra mim é algo um pouco mais profundo: independência é parar de julgar os outros por coisas menores e, em contrapartida, não se deixar afetar por nenhum julgamento quenão acrescente nada na sua vida.

Explico: Em mundo de redes sociais, todo mundo é passível de julgamento e todos tem uma opinião formada sobre algo (ou alguém). Quem acompanha o mundo dos blogs de moda, por exemplo, sempre vê críticas ferrenhas de “leitoras” que acham que por estar num ambiente virtual, podem falar o que querem e  usam as palavras sem pensar nas consequências. Alguém falar que a sua roupa é ridícula ou que o seu cabelo é ruim porque ele é cacheado são alguns exemplos de como uma opinião mal dada pode ser prejudicial a sua independência de ser quem você realmente é, principalmente quando a gente dá importância a esse tipo de comentário.

Trouxe esse exemplo dos blogs porque achei que fosse o mais fácil de entender, mas isso também se aplica na vida offline também. Aquelas fofoquinhas que a gente faz com as amigas falando mal de alguém ou criticando o look do dia, tem o mesmo efeito: não acrescenta nada na vida de ninguém.

Infelizmente não podemos impedir o julgamento alheio mas podemos trabalhar pra que essas palavras e pensamentos não nos influenciem no que nós somos ou queremos ser. Ao mesmo tempo, nós também temos o hábito de analisar e consequentemente julgar os outros. Por isso, não podemos criticar alguém pelo julgamento mal educado se nossas mentes fazemos o mesmo, certo?
Creio que esse é um trabalho constante e o atingimento dessa meta nos transforma em seres independentes e provavelmente muito mais felizes.

Resumindo a história:  não dê tanta importância a comentários que não vão te fazer melhorar como pessoa. Isso é ser independente 🙂

Essa foi a minha visão de independência, qual é a sua? Comentários são bem vindos!

Karine

30 anos, carioca, jornalista e publicitária. Adora cultura pop, música, livros, moda e viagens. Criou o Doce Subúrbia para falar da vida e aquilo que gosta.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *